Salve Allende

Relembre a queda de Allende em “A Batalha do Chile”

Por Alexandre Madruga 

O cineasta documentarista e chileno Patrício Guzmán produz nesse documentário histórico, feito após seis anos de trabalho, mais de cinco horas de filmagem, subdivididas em três partes, no qual mostra o crescimento e a queda de Salvador Allende. A primeira parte da filmagem, “A Insurreição da Burguesia” (1975), relata a reação da direita contra a tentativa o socialismo democrático no país que tentava ser implementado, com greves por sindicatos e o boicote econômico, que teve influência do governo dos EUA. “O Golpe de Estado” (1977), que é a segunda parte do documentário, fixa o foco na guerra civil que levou ao bombardeio do Palácio de La Moneda e à morte do presidente em 11 de setembro de 1973, sob a liderança de uma junta militar encabeçada por Pinochet. “O Poder Popular” (1979) finaliza a filmagem, revelando algumas ações coletivas realizadas por populares com intuito de acabar com a crise durante o governo Allende, como armazéns comunitários e comitês camponeses, que serviam de sustento para alimentação de parte da população.

“Batalha” foi considerado um dos melhores documentários políticos da história, relatando a primeira transição democrática ao socialismo da história da América Latina.

Para a crítica norte-americana Pauline Kael, “como uma equipe de cinco pessoas, algumas delas sem nenhuma experiência prévia, conseguiu produzir uma obra dessa magnitude?” O documentarista João Moreira Salles, responde que “ao longo daqueles anos, a história estava em marcha e havia alguém com a férrea disposição de não desligar a câmera.” Esse desejo de levar o cinema às últimas conseqüências fica evidente na cena mais famosa do filme, em que um cinegrafista baleado pela polícia filma a própria morte.

O documentário mostra um país em extrema tensão, uma população rachada ao meio entre esquerda e direita, numa realidade caótica de greves, passeatas, manobras políticas, que finalizam com um golpe militar e a morte (assassinato) do Presidente Allende.

A criação do documentário ganha ares épicos, por toda sua trajetória percorrida pelos cinco integrantes da equipe de filmagem, até a chegada das latas de negativo (de forma clandestina) por navio para Cuba, onde o Guzmán montou o filme com a ajuda do Instituto del Arte y la Industria Cinematográficos (Icaic).

A “via crucis” de Guzmán após as filmagens foi grande, pois logo depois da conclusão do trabalho, foi preso em casa, levado ao Estádio Nacional e ameaçado de fuzilamento, no entanto acabou posto em liberdade. Já o cinegrafista Jorge Muller Silva desapareceu de vez, depois de ser seqüestrado pela polícia militar.

A produção teve o claro intuito de demonstrar como ocorreu todo o processo, apresentando as prévias dos acontecimentos, como eram arquitetados e por quem, mostrando todos os lados da questão de maneira exaustiva, deixando claro ao espectador a real situação chilena da época. A locução em off deixa o espectador ciente e consciente dos acontecimentos, permitindo toda e necessária compreensão do golpe. Filmou desde assembléias de fábricas, passando por trabalhadores do campo, moradores de bairros construindo um abastecimento alternativo, até militantes de direita.

Guzmán registra e analisa toda a caminhada chilena pela via democrática ao socialismo, abordando temas difíceis como as nacionalizações, o apoio ambíguo da presidência ao processo de construção do “poder popular” que se dava com as ocupações, além da participação direta através de assembléias locais e regionais, e as contradições entre este poder popular e um Estado que acabou paralisado pelo Congresso e as ações de sabotagem apoiadas pela CIA e pelas elites.

Para João Moreira Salles, “O resultado é um filme inegavelmente belo, decididamente épico e certamente trágico. (…) Guzmán filmou tudo, até o último momento.”

O jornal espanhol Cambio 16 escreveu: “A Batalha do Chile é o filme mais impressionante exibido em Cannes este ano”. Na França, o Le Monde acompanhou: “É a primeira obra de arte a encarnar uma nova forma de analisar a história.” O Los Angeles Times concordou: “Um documentário admirável sobre um país que é lançado no caos com a inevitabilidade de uma tragédia grega”.

Apesar da eleição de Allende, da esquerda chilena, é curioso perceber que a maior parte da grande mídia era controlada pela oposição de direita. A mais perigosa era a emissora de TV, Canal 13, com grande audiência popular e com fortes interesses conservadores que Guzmán usava um crachá falso da emissora para entrevistar esse público.Graças a essa iniciativa, conseguiu passar para o documentário o clima de revolta da classe média e da burguesia em relação às medidas populares do governo Allende.

Esse é apenas alguns aspectos do belíssimo documentário. Trata-se de uma obra obrigatória para estudantes discentes em geral e comunicadores.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: