O IP como imaginamos irá acabar !!!

Por Julio Cesar Reis

Bem pessoal após este período ausente devido a alguns contratempos,  estou retornando com uma notícia na verdade uma novidade que irá mudar o modo de nós acessarmos a Internet. Isso mesmo forma pela qual  nos conectamos a Net é feita pelo endereçamento I.P.(Internet Protocol) e mesmo tendo parado na parte 2 de nossas dicas de manutenção, resolvi abrir um parênteses para esta novidade no mundo digital.
Alguém se lembra do Bug do milênio? Isso mesmo, aquele bug que iria causar o fim de tudo, coisa que felizmente não aconteceu, mas algo diferente está para acontecer e se nada for feito,  não será mais possível aos novos usuários ou aos novos dispositivos se conectarem à Internet. A data exata para isso acontecer, segundo alguns meios de comunicação é de 686 dias a partir de hoje (17/08/2009) ou 04/07/2011.
A falha tem nome e se chama exaustão dos endereços IP versão 4. Os endereços IP’s são quem realmente habilitam um equipamento, seja ele seu computador, seu celular 3G, PDA etc a se conectarem à Internet. Sem endereço IP, não há conexão. Se você  usa o sistema operacional Windows e quiser saber qual o endereço IP de seu computador, siga esses passos: clique em iniciar, depois em executar e digite cmd. Na janela de linha de comando, digite ipconfig. A linha que contiver endereço IP (IP Address) informará seu endereço. Para quem usa Linux, pode abrir uma janela de shell e digitar o comando ifconfig -a.
Confira essa matéria completa no site. http://www.jornalobjetiva.com
A versão de endereços IPs que usamos hoje é conhecida como IPv4 (versão 4). Dentre as muitas características dessa versão está o comprimento e o formato do endereço em si: 32 bits. Um exemplo de endereço IPv4 é: 192.168.1.1. São 4 octetos ou bytes totalizando 32 bits. Esse comprimento permite 2 elevado a 32 possiblidades ou seja, mais ou menos 4 bilhões de endereços. Mas isso é um valor teórico e os endereços realmente utilizáveis são uma porção menor que isso: cerca de 3,7 bilhões. Um número alto, mas não suficiente para as necessidades atuais. A adoção em massa da Internet não só em computadores, mas em celulares e PDAs também apressou seu esgotamento e com a chegada da TV digital, que usará a Internet para interatividade, mais endereços serão usados. E um dos países que mais sofrerá com isso é a China.
Alguns sites, como o da empresa Hurricane Electric, nos EUA, colocaram uma aplicação on-line informando quantos endereços IPv4 ainda faltam para acabar e até existe uma aplicação no IPhone para informar sobre isso. Existem 460 mil endereços IPs ainda disponíveis, cerca de 10,9% do total, restando 686 dias para acabar, segundo a aplicação no dia 16/08/2009.

Segundo o CGIB (Comitê Gestor da Internet no Brasil), instituição que dentre muitas atribuições é também responsável pela distribuição de blocos de endereços IPs no país, quando o último número de IPv4 for utilizado, a Internet não irá parar, mas a próxima pessoa que quiser conectar alguma coisa a ela, não poderá fazê-lo. Quem já utiliza a rede irá continuar a acessá-la normalmente.
A solução para isso já está em andamento faz tempo, mas pouca gente fala a respeito. Chama-se IPv6, ou versão 6. O IPv6 não só elimina o problema da falta de endereços, mas deixará as conexões mais rápidas e adicionará mais segurança a elas. Mas voltando ao problema do endereço, o novo tamanho será de 128 bits, ou de 2 elevado a 128, o que irá proporcionar a seguinte quantidade de endereços:
340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456
A escrita de um endereço IPv6 é  diferente de um endereço IPv4. São usados valores de 16 bits separados por dois pontos e cada valor de 16 bits é escrito no formato hexadecimal, que usa as letras de A a F, além de números de 0 a 9. Um exemplo de um endereço IPv6 é:
2001:db8:31:1:20a:95ff:fef5:246e.
Bem diferente do exemplo que demos acima do IPv4: 192.168.1.1
Agora vamos ao que precisa ser executado. Os usuários finais não precisam fazer quase nada, exceto perguntar, ao comprar um equipamento ou serviço de conectividade, se eles funcionam com IPv6. Contudo, devemos fazer uma ressalva caso você possua um equipamento antigo. Neste caso, será necessário verificar com o fabricante alguma possível atualização de software/firmware. Mas o grande trabalho mesmo vai ficar nas mãos dos provedores e fabricantes. Eles terão que configurar seus equipamentos, sites e aplicações para que essa transição seja suave para os seus clientes. Fazer isso sem sair do ar e de forma barata vai ser um grande desafio.

Embora a data final esteja se aproximando, um dos motivos da demora das instituições começarem a pensar na migração é a complexidade da mesma. Quem já migrou endereços IPs de um parque de servidores sabe o trabalho. Sem falar na coordenação geral de toda a Internet fazendo a mesma coisa, pois se seu provedor fizer e outros não, você terá problemas em se comunicar.
Muitas das técnicas são baseadas em NAT (Network Address Translation) e tunelamento de pacotes IPv4 dentro de IPv6 e vice versa. O recurso de NAT permite que várias conexões de uma rede local compartilhem um único endereço IP que pode ser de um firewall da rede ou do roteador wireless.
O protocolo IPv6 já está em uso em várias redes, mas o seu volume perante o IPv4 é irrisório. Há um ano atrás, o montante de tráfego do protocolo IPv6 representava apenas 0,0026% do total do volume de dados transmitido na Internet.
Nem tudo é notícia ruim e, como em toda crise, há boas oportunidades à vista. Enxergo nesta transição uma excelente oportunidade para os profissionais de Informática, pois assim como foi no ano 2000, muita gente que sabia a linguagem de programação COBOL ganhou bastante dinheiro para corrigir o bug do milênio. Todas as empresas vão precisar migrar para a nova versão, portanto trabalho não vai faltar. Portanto se você quiser ganhar muito nesta mudança, procure aprender mais sobre o IPV6.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: